Dom Jeremias prega retiro para grupo de diáconos permanentes

Sob a orientação de Dom Jeremias Antonio de Jesus, um grupo de diáconos permanentes da Arquidiocese do Rio de Janeiro participou de um retiro espiritual no Centro de Espiritualidade Maria Mãe da Vida, em Campo Grande, de 29 de abril a 1º de maio.

“Todo retiro é uma oportunidade para o reabastecimento e o fortalecimento da nossa fé através do silêncio, da oração e da reflexão e meditação da Palavra de Deus, assim como, uma parada estratégica, como fazia Jesus, para que, dialogando com o Pai, sintamo-nos motivados e encorajados frente à missão que nos foi confiada”, explicou o pregador.

Segundo Dom Jeremias, o tema do retiro foi a oração.  “Rezar é estar a sós, falando de amor com quem nos ama verdadeiramente. Nós, seres humanos, somos as únicas criaturas que se voltam para Deus para receber um acabamento. E isso acontece através de uma intimidade com Ele na oração. Se não tivermos uma vida orante, ficaremos doentes e, portanto, inacabados”.

Para Dom Jeremias, “se a oração é imprescindível para todos os fiéis, quanto mais para os ministros ordenados; e o povo de Deus que nos é confiado tem o direito de ter um ministro ordenado que reza e que busca a santidade, tendo em vista que fomos ordenados para o povo”.

“Falamos neste retiro que a oração bem-feita nos lança para o apostolado, para a missão, e o apostolado bem-feito lança-nos para a oração.  Portanto, rezar, para nós, é vital. Vida de oração e apostolado precisam caminhar de mãos dadas”, observou o pregador.

Ao destacar as catequeses do Papa emérito Bento XVI, Dom Jeremias lembrou que os “homens e mulheres de todos os tempos e culturas sempre buscaram uma relação com o transcendente”: “A consciência que o ser humano tem sobre a sua condição de criatura e da sua dependência de um Outro leva-o a rezar, porque não consegue deixar de se interrogar sobre o sentido da sua existência. Há um desejo de Deus inscrito no coração de cada homem, que recebe cumprimento e plena expressão no Antigo e no Novo Testamento. Com efeito, a Revelação purifica e leva à sua plenitude o anseio originário que o homem tem de Deus, oferecendo-lhe na oração a possibilidade de uma relação mais profunda com o Pai Celeste” (Papa Bento XVI).

Dom Jeremias lembrou que “embora os cristãos tenham muitos testemunhos de oração nas Sagradas Escrituras, como a intercessão de Abraão por Sodoma e Gomorra, a luta de Jacó com Deus, os salmos e o testemunho dos santos e santas, Jesus Cristo é a nossa Escola de Oração. Ele é e será sempre a nossa referência”.

A reflexão do retiro, segundo Dom Jeremias, foi concluída com a apresentação da Sagrada Família de Nazaré, da oração de José, de Maria e de Jesus. “Podemos afirmar que foi um momento de verdadeiro encontro com Deus, com o outro e com cada um mesmo! ”, finalizou.

 

Da Redação

 

 

Categorias