Visita do capelão mundial dos escoteiros católicos

Entre os dias 27 a 30 de novembro, esteve em visita na Arquidiocese do Rio de Janeiro o capelão mundial dos escoteiros católicos, o português, padre Luís Marinho. Ele veio ao Rio de Janeiro, após participar da Conferência Interamericana de Escotismo no Paraguai, a convite do capelão nacional católico dos escoteiros do Brasil, padre Hugo Galvão. Momento forte da visita foi a audiência com o arcebispo metropolitano, Cardeal Orani João Tempesta, o qual, em 2018, recebeu o então capelão mundial, padre Jacques Gagey, de origem francesa.

Neste encontro com o arcebispo, além dos padres capelães escoteiros, esteve presente o chefe André Torricelli, membro da Diretoria Regional dos Escoteiros e coordenador do Escoteiros do Mar.

Padre Luis apresentou a Dom Orani um panorama da realidade dos escoteiros no mundo, falou sobre a relação do Escotismo e da Igreja, principalmente em seu país, Portugal, no qual o movimento escoteiro é um movimento da própria Igreja Católica. Tratou-se também da possibilidade dos escoteiros poderem atuar mais próximos da Igreja e da relação do Escotismo com a CNBB e dioceses. A Jornada Mundial da Juventude que acontecerá no próximo ano em Portugal também fez parte dessa afetuosa conversa.

Padre Luis Marinho, juntamente com o capelão do Brasil, pôde ainda se reunir com Dom Paulo Romão, bispo auxiliar do Rio de Janeiro, o qual acompanha o Escotismo em todo o Brasil.
O capelão mundial esteve ainda na sede regional dos Escoteiros de São Paulo, no Centro Cultural do Movimento Escoteiro, visitou a comunidade de Santa Marta, em Botafogo, e participou de dois programas na Rádio Catedral, um deles, “Madrugada Amiga”, que vai ao ar de segunda a sábado, da meia-noite às 5h30 da manhã.

Para padre Hugo, que também é vigário paroquial da Paróquia São João Batista da Lagoa, em Botafogo, a presença de um sacerdote que se dedica ao Escotismo pelo mundo é “estímulo muito forte para que a Igreja, como instituição e anunciadora do Reino de Deus, possa ouvir os escoteiros católicos, auxiliando-os a serem mais católicos como escoteiros e como escoteiros anunciarem o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo”

Na opinião do padre Hugo, a presença do padre Luís Marinho “trouxe mais esperança para que a missão do capelão brasileiro possa se expandir cada vez mais na arquidiocese e em todo o Brasil”.

 

Da Redação

 

Categorias