Romaria até a Casa da Mãe Aparecida

‘Com Maria caminhamos em comunhão, participação e missão!’

“Que cada um de nós, como peregrinos, possamos viver a experiência de encontrar na Casa da Mãe o próprio Senhor Jesus. Se queremos ser bons cristãos, bons filhos e filhas de Deus, nada melhor do que seguir o exemplo de Nossa Senhora, que em toda a sua vida fez a vontade do Senhor”, disse o coordenador arquidiocesano de pastoral, cônego Cláudio dos Santos, ao convidar os fiéis para a Romaria Anual ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP).

“Depois de dois anos de restrições por causa da pandemia, iremos retomar as romarias de forma presencial. É mais uma oportunidade que o Senhor nos concede. Vamos todos juntos para Aparecida agradecer pelos dons e graças recebidas e implorar tantas outras que necessitamos”, acrescentou o cônego Cláudio, lembrando que a romaria da Arquidiocese do Rio de Janeiro será no último sábado do mês, dia 27 de agosto,

“Com Maria caminhamos em comunhão, participação e missão!” é o tema da romaria deste ano, que segundo explicou cônego Cláudio, está em unidade com a 16ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, convocada pelo Papa Francisco para outubro de 2023, e que tem como foco a sinodalidade – “Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão.

A programação continua a mesma, informou cônego Cláudio, porém, com uma alteração quanto ao local da recitação do Terço Mariano.

“A Basílica de Aparecida está passando por reformas, inclusive na Praça Bento XVI, onde todos nós peregrinos temos o costume de recitar o Terço em louvor a Nossa Senhora, junto com o arcebispo, os bispos auxiliares, vigários episcopais e sacerdotes da nossa arquidiocese. Neste ano, o Terço vai ser recitado dentro da própria basílica, às 7h30. De qualquer forma, será nosso primeiro ato de gratidão a Mãe Aparecida”, disse.

“Após a recitação do Terço Mariano, será realizada missa solene, às 9h, que será transmitida pela TV Aparecida, RedeVida de Televisão, Rádio Catedral e demais meios de comunicação de nossa arquidiocese. Em seguida, por volta de 10h15, iremos todos unidos em procissão, como Igreja de São Sebastião do Rio de Janeiro, rezando e cantando até o Morro Cruzeiro. De estação em estação vamos com muita piedade rezar e meditar a Via-Sacra, agradecendo a salvação que o Senhor nos conquistou na Cruz”, completou.

Neste ano, a romaria anual arquidiocesana deve bater recorde de fiéis, explicou cônego Cláudio, em vista das dificuldades que os párocos estão encontrando em fretar ônibus para a romaria. “A dificuldade em alugar ônibus para Aparecida é uma boa notícia. Quem não conseguiu assegurar um lugar deve procurar a paróquia mais próxima para ver a possibilidade de uma vaga. Nesta romaria, depois da pandemia, temos a expectativa de reunir cerca de 80 mil peregrinos”, disse o coordenador de pastoral.

 

Jornada Bíblica

Neste ano, quem tem o costume de participar das romarias até Aparecida, terá uma bela surpresa. Entre as reformas que estão em andamento, está o revestimento da fachada norte da basílica, inaugurada no dia 19 deste ano. Inspirada no livro do Êxodo, ele conta a história de José do Egito e Moisés. O projeto de evangelização com os mosaicos da Jornada Bíblica, sob a coordenação dos padres redentoristas, que tem duração prevista de cinco anos, pretende transformar o Santuário Nacional na maior Bíblia a céu aberto do mundo.

 

Na Casa da Mãe

As romarias na matriz velha de Aparecida, situada no Vale do Paraíba, começaram no início do século XIX, quando famílias ou grupos chegavam em carroças, depois caminhões ou trens vindos dos três estados mais próximos: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A notícia da primeira romaria organizada data de 1873, com devotos da Paróquia Santo Antônio da cidade vizinha de Guaratinguetá (SP).

Em 1900, começaram as grandes romarias para celebrar o Ano Jubilar da Redenção, organizadas por dioceses e paróquias, bispos e sacerdotes. Neste ano de virada de século, a romaria da Arquidiocese do Rio de Janeiro, convocada por Dom Joaquim Arcoverde, aconteceu no dia 16 de dezembro. Outra romaria em âmbito arquidiocesano foi realizada, em 1902, em preparação à celebração do jubileu de ouro da proclamação do dogma da Imaculada Conceição.

Após a conclusão da nova Basílica Santuário de Aparecida, em 1959, um dos maiores templos marianos do mundo, as romarias da arquidiocese foram intensificadas e, no início do governo de Dom Eugenio de Araujo Sales, na década de 1970, as romarias oficiais passaram a ser anuais, sendo realizadas sempre no último sábado do mês de agosto.

 

Carlos Moioli

 

Categorias