Coroinhas, acólitos e cerimoniários comemoram com Dom Orani a Festa de São Tarcísio

Cerca de 1.600 coroinhas, acólitos e cerimoniários das comunidades paroquiais da Arquidiocese do Rio de Janeiro celebraram com muito júbilo a memória do padroeiro São Tarcísio, no dia 13 de agosto.

Representando os nove vicariatos da arquidiocese, os coroinhas – como são popularmente conhecidos – se reuniram pela manhã na Praça General Osório, em Ipanema, e saíram em procissão pela Avenida Vieira Souto, que faz margem para uma das praias mais bonitas da cidade até a Paróquia da Ressurreição, no Arpoador, onde participaram da missa em ação de graças, presidida pelo arcebispo metropolitano, Cardeal Orani João Tempesta.

A missa foi marcada com a presença da imagem da Rainha da Amazônia, Nossa Senhora de Nazaré, vinda de Belém do Pará, que de 11 a 14 de agosto esteve em peregrinação pela arquidiocese.

O pároco, padre Ionaldo Pereira da Silva, acolheu e saudou os presentes no início da missa, manifestando sua alegria por ver o encontro dos coroinhas com o pastor. “Hoje, o céu se alegra com essa festa tão bonita”. Ele também enfatizou a alegria da Paróquia da Ressurreição de receber a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, ele que na sua juventude já morou em Belém e até então não teve a oportunidade de segurar nas mãos o ícone dos paraenses.

A missa foi concelebrada pelo bispo animador dos coroinhas na arquidiocese, Dom Roque Costa Souza, e também pelo coordenador arquidiocesano, padre Pablo Walter Dawabe Broschek.

Também foram concelebrantes o cônego Cláudio dos Santos, os padres Alan Augusto Gomes Barroso, Darlan Carvalhal Hechet, Eraldo de Souza Leão Filho, Gabriel de Moraes Coelho, Marco Túlio de Castro Carvalho, Marcos Vinicius Alves Cirino e Raphael de Lima Talarico. Ainda, o reitor da Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém, padre Francisco Assis Maria de Oliveira.

 

Testemunho de vida cristã

Depois da entrada dos coroinhas, em procissão que durou cerca de meia hora, Dom Orani iniciou a missa, destacou o testemunho dos coroinhas e cerimoniários e observou que eles representavam apenas uma parte de todos que ajudam a tornar as celebrações mais bonitas.

“Com a concentração e caminhada que vocês fizeram da praça até a paróquia, podemos constatar como é bonito ver o testemunho de oração, entusiasmo e de juventude de quem busca o Senhor. Também fazemos unidade e rezamos por aqueles que não puderam vir, mas que ajudam no serviço do altar nas paróquias e capelas da arquidiocese.”

Dom Orani também lembrou a visita do ícone do povo paraense. “Por providência de Deus nós também temos a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, aquela que leva no segundo fim de semana do mês de outubro cerca de dois milhões e meio de pessoas no sábado, na transladação, e no domingo, na procissão do Círio, às ruas de Belém do Pará”.

 

Firmes na fé

Na homilia, o arcebispo evidenciou  sua alegria em acolher as crianças, adolescentes e jovens para celebrar a Festa de São Tarcísio, comemorada pela Igreja no dia 15 de agosto.

“Na liturgia, Jesus abençoa as crianças e pede que cada um de nós seja uma criança. Ao ter um coração de criança somos abençoados pelo Senhor e conseguimos viver melhor a vida cristã, na qual todos somos chamados.”

Dom Orani também destacou o entusiasmo dos coroinhas em ouvir a Palavra de Deus e de se prepararem para as celebrações.

“Sei da eficiência de cada um na preocupação de celebrar a liturgia e de fazer o melhor para levar a comunidade a rezar. Louvo a Deus por esse trabalho que exercem nas comunidades. Sintam-se abraçados pela Igreja, pela Arquidiocese do Rio de Janeiro.”

O arcebispo destacou o exemplo da fé de São Tarcísio, uma criança que sofreu perseguição e que acabou martirizada por testemunhar Jesus Cristo ao levar a Eucaristia aos prisioneiros.

“Hoje não é fácil ser cristão. Nem sempre os valores da família, o respeito à vida, as buscas de Deus são valorizados e respeitados, Mas, os coroinhas, assim como todos os cristãos, devem ser firmes na fé e no testemunho, e como São Tarcísio, não se desanimar diante das dificuldades.”

No final da homilia, o arcebispo pediu aos coroinhas que tenham o exemplo do valor de São Tarcísio e da Eucaristia no coração de cada um.

“Que São Tarcísio possa interceder para que essa certeza da presença de Jesus na Eucaristia possa fazer que vocês permaneçam firmes no meio das provocações e das dificuldades.”

 

Serviço ao altar

Antes da bênção final, Dom Orani passou a palavra ao padre Pablo Walter, que se alegrou com a festa.

“Isto significa ser testemunha, falar de Cristo para quem não tem esperança. Nós cristãos temos uma capacidade de festejar, e que servir ao altar é a maior forma de ação de graças para a história de salvação”, disse padre Pablo.

 

Chamado de Deus

Dom Roque Costa Souza também transmitiu sua mensagem aos coroinhas e cerimoniários presentes na Paróquia da Ressurreição, falando do discernimento da vocação sacerdotal e religiosa.

“É uma alegria estarmos aqui. Vivenciei a preocupação que os coroinhas tiveram na semana para preparar essa festa tão bonita, celebrando com alegria a Festa de São Tarcísio. Sabemos que muitos de vocês sairão bons pais e mães de família, marido e mulher, pois a família é o futuro da Igreja, mas que vocês também não tenham medo de responder ao chamado de Deus para a vida sacerdotal e religiosa. Não se fechem a esse chamado que Deus faz de nossas vidas. Deixe que o Espírito Santo se faça presente na vida de cada um de vocês.”

 

Carlos Eduardo Bittencourt

Categorias