Lançado livro no Rio de Janeiro sobre Carmen Hernández, coiniciadora do Caminho Neocatecumenal

“Foi uma mulher excepcional que viveu, com toda a sua alma, um intenso amor a Cristo, foi uma missionária audaz, cuja profunda vocação de serviço à Igreja se concretizou quando, junto com Kiko Argüello, começou um itinerário de iniciação cristã: o Caminho Neocatecumenal”. Assim Aquilino Cayuela define Carmen Hernández Barrera.

Aquilino é autor do livro Carmen Hernández – Notas Biográficas, lançado oficialmente no Brasil em 19 de agosto, numa cerimônia na Paróquia Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, na cidade do Rio de Janeiro. O livro, escrito originalmente em espanhol, foi editado no Brasil pela Edições Loyola.

Além da participação de Aquilino, o lançamento contou com a presença do Cardeal Orani João Tempesta, arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro, de Dom Taracísio Nascentes dos Santos, bispo de Duque de Caxias, do reitor do Seminário Missionário Redemptoris Mater, padre Marcos André Nascimento Silva, da equipe de catequistas responsável pelo Caminho Neocatecumenal no Brasil, formada por padre José Folqué e Raúl Viana, e pelo editor da Edições Loyola, Gabriel Frade.

No lançamento, Dom Orani acolheu as comunidades neocatecumenais do Rio de Janeiro, assim como a equipe de catequistas itinerantes responsável pelo Caminho na Arquidiocese, composta por padre Raúl Escudero, Eunice Souza e Marcos Antonio Pereira Gomes.

Esta biografia foi escrita como uma forma de manter viva a figura de Carmen, falecida em 19 de julho de 2016. Em suas palavras, Aquilino, que, da Espanha, participou do lançamento por videoconferência, afirmou que seu propósito essencial na obra “foi defender a voz de Carmen Hernández, acima da minha, e buscar mais a fundo as palavras dela em cada etapa de sua trajetória, aquelas que melhor expressaram sua particular sensibilidade espiritual. Busquei apresentar os aspectos essenciais de sua personalidade, suas virtudes, seus momentos de intimidade com o Senhor, suas lutas e doenças e, em conjunto, sua genuína e singular experiência cristã”.

O livro se divide em duas partes: a primeira reconstrói cronologicamente a história de Carmen desde o nascimento até 1964: sua infância, vida familiar, os primeiros momentos de sua vocação religiosa e missionária, seus anos de estudos, seus anos de preparação com as Missionárias de Cristo Jesus, sua viagem para Israel, em 1963, até seu regresso a Madri. A segunda parte apresenta Carmen como coiniciadora e responsável internacional do Caminho Neocatecumenal, com Kiko Argüello, sendo o primeiro documento oficial das origens e começo desta iniciação cristã.

Dom Orani escreveu o prefácio da edição brasileira do livro e afirmou ter recebido este convite com alegria e emoção.

“Com este livro vemos esta grande mulher que vivia esta mística e colocou Cristo no centro de sua vida. A Igreja sabe que os santos são aqueles que trazem o Evangelho na vida, e, como leiga, Carmen fez um trabalho importantíssimo para a Igreja, de evangelização, de levar o Querigma a todas as partes”, disse o cardeal. “Que este livro seja amplamente difundido para ajudar a Igreja diante de tantos questionamentos, qual o papel do leigo na Igreja, e ajudar a todos no caminho de santidade”, concluiu.

Padre José Folqué contou que é graças a Carmen que ele está em missão no Brasil desde 1994 e, por este motivo, é agradecido a ela.

“Ao mesmo tempo, quero dar graças ao Senhor porque, através destas Notas Biográficas, que tão competentemente nos apresentou o Dr. Aquilino Cayuela, podemos entender melhor como o Senhor foi construindo, através da vida de Carmen, desde os seus inícios e depois juntamente com Kiko Argüello, alguns elementos fundamentais que iluminam hoje o nosso caminhar de crescimento na fé”.

Assim, durante sua fala no lançamento do livro, padre José assinalou alguns aspectos da vida de Carmen, escritos na biografia dela, que podem ajudar a todos na caminhada de fé e na vida como um todo: receber a educação na fé dentro da família, a experiência do chamado missionário desde a infância e a intensa vida de oração foram alguns dos destaques.

Já Raúl Viana recordou que Carmen, especialmente pela viagem que ela fez até a Terra Santa, permitiu ao Caminho Neocatecumenal descobrir as raízes da fé no povo de Israel.

“Suas inesquecíveis catequeses sobre as figuras bíblicas, Abrão, Isaac, Davi, José, e sobre as festas da tradição hebraica, como a do Ion Kippur, são a origem das liturgias que celebramos em comunidade”, disse Raúl, afirmando que a missão dele no Brasil também se deve a Carmen.

Gabriel Frade recordou a vida de Carmen, uma vez que pôde conhecê-la nos anos 90, em Roma. Para ele, chamava atenção a humildade dela e o amor que tinha pelas Escrituras.

 

Processo de beatificação

Carmen Hernández faleceu em 19 de julho de 2016, e, agora em 2022, a Arquidiocese de Madri, Espanha, informou que abrirá oficialmente seu processo de beatificação e canonização. Até o momento foram relatados mais de duas mil graças e favores alcançados, no mundo todo, pela sua intercessão. No Brasil, estão documentados 250 relatos, sendo que 126 estão relacionados à cura de doenças físicas e 60 relacionados a partos e gestações.

 

Da Redação

Categorias