Vivenciando a comunhão e a unidade

A Visita “Ad Limina Apostolorum” do Regional Leste 1 começou com missa celebrada na cripta da Basílica de São Pedro, presidida pelo Cardeal Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, Dom Orani João Cardeal Tempesta, ladeado por Dom Paulo Cezar Cardeal Costa e o presidente do Regional Leste 1, Dom José Francisco Rezende Dias, e concelebrada pelos bispos membros do regional. Cardeais, arcebispos e bispos, todos são ordenados no grau máximo do Sacramento da Ordem. Todos são bispos, palavra que deriva do grego ‘epíscopos’, que significa ‘supervisor’. Para chamá-los usa-se o título de Dom, abreviatura do latim ‘dominus’, senhor. Com o Papa à frente, os bispos do mundo inteiro formam ao Colégio Apostólico, que sucede ao grupo dos Apóstolos, os quais tinham a Pedro como seu líder. Assim, a Igreja é guiada pela história afora pelos mesmos pastores escolhidos por Jesus Cristo.

Este momento celebrativo nos ajuda a nos unirmos ao Papa, que desempenha um serviço único e indispensável à Igreja universal. É sinal visível da unidade! Um sinal concreto dessa comunhão é a “Visita Ad Limina”: de cinco em cinco anos, quando os bispos do mundo inteiro peregrinam aos túmulos dos Apóstolos Pedro e Paulo para manifestar a sua unidade com a Sé de Pedro. Após a missa na capela do túmulo de São Pedro, nos encontramos com o seu sucessor. Estar com o Papa é sempre uma grande graça. As Visitas “Ad Limina Apostolorum” dos bispos, como um momento de grande oportunidade de encontro, de diálogo e de recíproco enriquecimento. O Papa respondeu perguntas uma a uma com muito carinho, mostrando um pouco as suas orientações. E concluímos a manhã de hoje com a Oração do Ângelus com o Santo Padre na Biblioteca Apostólica. Todos os bispos ficaram muito felizes e edificados pelas palavras do Papa Francisco.

No segundo dia, terça-feira, 4 de outubro, os bispos do Estado do Rio de Janeiro em Visita “Ad Limina Apostolorum” foram até a Basílica de São João do Latrão, a Basílica do Papa e Mãe de todas as igrejas do Ocidente. Lá celebraram a santa missa que foi presidida por Dom Gilson Andrade, bispo de Nova Iguaçu e vice-presidente do Regional Leste 1 – CNBB. Dom Gilson recordou que celebravam ali a memória de São Francisco de Assis, solenidade em toda a Itália, pois é o santo patrono da pátria italiana. “Quando o Papa Inocêncio III sonhou com o pobrezinho de Assis que segurava uma igreja para que ela não caísse, era justamente esta igreja que aqui estamos, a Basílica do Latrão”, disse o bispo.

Os trabalhos deram início com a reunião dos bispos do Regional Leste 1 no Dicastério para os Bispos com o prefeito Cardeal Marc Ouellet e o secretário Dom Ilson de Jesus Montanari, dando continuidade à agenda da Visita “Ad Limina Apostolorum” na terça-feira.

Dom Orani visitou a Pontifícia Academia Eclesiástica, para onde enviamos, este ano, um sacerdote de nossa arquidiocese, padre Antônio Augusto, para dar início à formação para a diplomacia pontifícia. A academia é responsável em preparar os sacerdotes que irão servir nas nunciaturas apostólicas, nas representações diplomáticas ou na Secretaria de Estado.

Na parte da tarde deste terceiro dia da visita “Ad Limina Apostolorum”, os bispos estiveram nos seguintes órgãos administrativos da Santa Sé: Congregação para o Culto Divino e a disciplina dos Sacramentos – prefeito Dom Arthur Roche e na Congregação para a Doutrina da Fé – prefeito Cardeal Luís Francisco Ladaria Ferrer.

O primeiro compromisso da quarta-feira, 5 de outubro, da Visita “Ad Limina Apostolorum” que os bispos do Regional Leste 1 – CNBB fazem ao Papa Francisco e aos diversos organismos da Sé Apostólica foi o encontro com o prefeito do Dicastério para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramento, o Cardeal Arthur Roche.

Representando o episcopado fluminense, Dom Célio da Silveira Calixto Filho, bispo auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro, fez a saudação e apresentou um breve panorama sobre a Liturgia nas dioceses do Estado do Rio de Janeiro.

Este Dicastério da Santa Sé, que tem em seu corpo colaborativo Dom Orani Tempesta e mais outros três bispos brasileiros, tem por finalidade a regulamentação da Liturgia e, antes de tudo, dos sacramentos. Portanto, visa promover a ação pastoral litúrgica em tudo o que diz respeito à preparação e celebração da Eucaristia e da Palavra, bem como os sacramentos e sacramentos.

 

O último compromisso dessa manhã da Visita “Ad Limina Apostolorum” foi a visita ao mais novo Dicastério da Santa Sé, cuja finalidade é acompanhar as temáticas referentes à cultura e à educação. O organismo foi criado a partir da promulgação da Constituição Apostólica “Praedicate Evangelium“, que unificou a Congregação para a Educação Católica com o Pontifício Conselho para a Cultura, em junho deste ano. Coube ao bispo auxiliar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, Dom Antônio Luiz Catelan Ferreira, proferir o discurso.

Na saudação ao prefeito do Dicastério para a Cultura e a Educação, o Cardeal José Tolentino de Mendonça disse: “(…) estamos vivendo esse momento em seu profundo sentido eclesial de comunhão eclesial com o Sucessor de São Pedro e com seus colaboradores mais próximos”. E prosseguiu: “cumprimentamos a ambos, prefeito e secretário deste dicastério, pela recente nomeação, fazemos nossos melhores votos para seu trabalho e reafirmamos nossa comunhão e disponibilidade para colaboração”.

Nas atividades vespertinas do terceiro dia da Visita “Ad Limina Apostolorum” do Regional Leste 1 da CNBB, dia 6 de outubro, os bispos dirigiram-se ao Dicastério para a Comunicação, cujo prefeito é um leigo, o jornalista italiano Paolo Ruffini.

O Cardeal Dom Orani João Tempesta, arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro e bispo referencial da Pastoral da Comunicação do Regional Leste 1 da CNBB, manifestou sua satisfação em ser o porta-voz dos arcebispos e bispos fluminenses durante este encontro no Vaticano.

Em seu relato, expôs um panorama da comunicação nas comunidades do Estado do Rio de Janeiro, destacando que esta já vinha sendo trabalhada ao longo dos anos, contudo tomou um rumo e vigor novos diante dos desafios impostos pela pandemia da Covid-19. Destacou a criatividade do clero no amparo ao povo de Deus durante este tempo adverso.

Dom Orani enfatizou ainda o apoio do episcopado às diferentes iniciativas relacionadas à comunicação, sobretudo em tempo pandêmico, o que resultou em maior visibilidade das atividades, sublinhando positivamente a presença da Igreja Católica nos lares e espaços virtuais. “Muito mais do que apenas realizar transmissões das missas e celebrações, os agentes da Pastoral da Comunicação possibilitaram que os fiéis não perdessem o vínculo com as suas comunidades de fé”, afirmou.

Coroando as atividades deste terceiro dia da visita, houve missa na capela do Colégio Pio brasileiro, instituição para a qual muitas dioceses brasileiras enviam seus presbíteros para a fase de estudos, pós-graduação, em Roma.

“Faz parte da “Ad Limina” tempo de oração, peregrinação, tempo de renovar as nossas forças na comunhão e na unidade da Igreja”, enfatizou Dom Orani Tempesta, presidente da celebração conclusiva da programação deste dia.

Os bispos estiveram também no Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos com o Cardeal Kurt Koch, depois na Congregação para o Clero com Dom Lazzaro You Heung si e, em seguida, na Signatura Apostólica, a última instância do tribunal eclesiástico.

O dia terminou com a celebração da missa na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, diante da imagem Salus Popoli Romani, presidida pelo bispo da Diocese de Itaguaí, Dom Frei José Ubiratan Lopes, OFMCap. O celebrante destacou que “além de tudo, muito importante desta visita é que nós celebramos a nossa comunhão com o Papa e a Igreja Universal, então a gente vive e reaviva esta chama da eclesialidade, da comunhão com o Sucessor de Pedro, com o Papa, por fim com toda a Igreja, com toda a Igreja Universal. Então, é uma celebração, um momento de fé,  um momento prático, de conhecimento das pastorais, mas também um momento muito bonito. É um momento de encontro de uma fé, até de um reavivamento da nossa comunhão com a Igreja”.

Após o jantar no Colégio Pio Brasileiro, ocorreu o encontro dos bispos com os padres estudantes da Arquidiocese do Rio de Janeiro que vivem em Roma. O Colégio Pio Brasileiro, cuja gestão é administrada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), desde 2014, está prestes a completar 90 anos, e acolhe nestes dias da Visita “Ad Limina” os bispos do Regional Leste 1.

No último dia da Visita “Ad Limina”, os bispos do Regional Leste 1 – CNBB iniciaram as suas atividades da Visita “Ad Limina Apostolorum” junto aos organismos da Santa Sé, comparecendo ao Dicastério para os Leigos, a Vida e a Família, onde foram recebidos pelo Cardeal Prefeito, Dom Kevin Joseph Farrell, que desde 2019 ocupa também o posto de carmelengo da Câmara Apostólica. Na abertura do encontro, Dom Farrel convidou os bispos a rezarem juntos pelo bom êxito e preparação da Jornada Mundial da Juventude que será realizada em Lisboa, Portugal, no próximo ano de 2023.

Neste encontro, os bispos do Estado do Rio de Janeiro tiveram também a presença de mais um padre brasileiro e carioca que trabalha na Santa Sé: padre Alexandre Awí Mello, I. Sch., secretário do dicastério e atual superior-geral dos Padres de Schoenstatt.

Dom Antonio Augusto Dias Duarte, bispo auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro e referencial da Comissão Regional Pastoral para a Vida e a Família, fez a saudação ao cardeal prefeito em nome dos bispos do Estado do Rio de Janeiro e ressaltou que – “a união, pela Carta Apostólica em forma de Motu próprio “Sedula Mater” (16.VIII.2016), do Pontifício Conselho para a Família e do Pontifício Conselho para os Leigos, destaca muito bem a importância dada aos leigos e às famílias na promoção do Evangelho da Vida nos tempos atuais”.

Dom Antonio Augusto apresentou um breve panorama do regional em relação à finalidade do dicastério. Disse ele: “A pandemia da Covid-19 resultou em muitas mortes e sofrimentos dolorosos às famílias do Regional Leste 1, bem como do restante do Brasil e demais países do mundo. Grandes ondas de medo e de desesperança invadiram lares e corações humanos. Nosso povo espera muito da sua Mãe, a Igreja Católica! Ao longo desse tempo da pandemia, tivemos que manter acesa a luz da esperança, inflamar os corações de amor e despertar cada dia mais a solidariedade cristã”.

No final da tarde, ocorreu a missa de encerramento da Visita “Ad Limina” com os bispos do Regional Leste 1, na Basílica São Paulo Fora dos Muros. O presidente do Regional Leste 1 da CNBB, Dom José Francisco Rezende Dias, presidiu a Santa Missa na Basílica Papal de São Paulo Fora dos Muros, encerrando assim a Visita “Ad Limina Apostolorum” dos bispos do Estado do Rio de Janeiro.

“Foram cinco dias intensos de trabalho, oração e fraternidade que se iniciaram com a celebração da Eucaristia na cripta da basílica vaticana de São Pedro e o encontro com o Papa Francisco, e concluiram-se, providencialmente, com a visita ao Dicastério para a Evangelização e a missa na basílica dedicada ao Apóstolo dos Gentios. Curiosamente, a abadia recebe este nome por ter sido construída fora dos Muros Aurelianos que protegiam a antiga cidade de Roma. De beleza exuberante, a igreja foi erguida sobre o que a Tradição conta ter sido o local onde São Paulo foi sepultado. Juntamente com as basílicas de São Pedro, São João de Latrão e Santa Maria Maior, é uma das quatro basílicas papais de Roma”, lembrou Dom José Francisco.

Durante a visita “Ad Limina”, tivemos a posse do cardeal e arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa, da Basílica romana dos Santos Bonifácio e Aleixo, no Aventino. Por tradição, cada cardeal da Igreja Católica recebe o título de uma igreja em Roma, em sinal de proximidade e colaboração ao Papa em seu ministério petrino. A posse acontece em uma missa presidida pelo próprio cardeal, no caso Dom Paulo Cezar, e a basílica em questão passa a ter, em sua entrada, o brasão de seu titular. Toda vez que vai ao Vaticano, o cardeal costuma presidir uma celebração no local.

A viagem dos bispos da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, encerrando a Visita Ad Limina”, se deu com a tradicional missa presidida pelo arcebispo com os bispos e os padres da arquidiocese nas catacumbas da Basílica de São Sebastião, onde repousam os restos mortais do nosso padroeiro.  De lá rezaram pela cidade e nosso povo carioca.

 

Monsenhor André Sampaio de Oliveira

Mestre e doutor em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma

Formado pela Pontifícia Academia Eclesiástica – Escola Diplomática da Santa Sé

Categorias